Total de visualizações de página

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Cabra cega

Tudo começa com uma espiadinna rápida,
Uma olhada desavisada,
Como se você não estivesse tentando olhar....

Mas, você sempre se trai e olha de novo,
Olha duas vezes, olha avaliando.
Como sempre faz quando vê algo que chama a sua atenção.

Não sabe disfarçar, peca pela falta de critério, não tenta sequer esconder.
Tudo è tão escancarado,
Esculhambado..... Combina com você.

Enquanto seus olhos atiram como uma metralhadora giratória sem finesse, sem razão.
Mãos tateiam delicadamente aonde seu olho não vê.
Hà profissionais na arte da piscadela.
Talvez eles devessem ensinar "como" pra você.

Larguei de mão.... Larguei-me em mãos.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Eu te falei que não era amor

É preciso me reiventar mais uma vez.
É preciso apagar mais uma página, lamber as feridas, juntar os pedaços dessa nova demolição.
Eu te avisei. Foi o que me disse aquela vozinha lá no fundo da cabeça.
Aquela que nunca se cala no início, mas que parece ter morrido no final.
Eu jurei que não faria isso de novo.
A alma lateja, o corpo padece e o coração....
Ah coração! Músculo voluntarioso e estúpido.

domingo, 17 de dezembro de 2017

Ratoeira

Presa entre os seus dentes sinto-me perecer a cada mordida.
Sou feita de carne, sou feita de ossos, mas hoje sou feita de feridas.
Feridas por dentro, feridas por fora, feridas azedas reveladas pelo tempo.

Nervos expostos e sangue coagulado vejas como é belo meu corpo cortado.

domingo, 10 de dezembro de 2017

Jardineiro Infiel

Por que colhes flores no meu jardim se na verdade anseia pelo perfume de outras flores?
Por que regas meus sonhos se vives em pesadelos?
Erguei a tua voz e proclames a verdade,
Basta de se esconder nas subrepticias mentiras da tua saudosa mocidade.
Deixai que as águas do tempo lavem o gosto amargo da verdade não dita.